Doença de alzheimer: aspectos fisiopatológicos, qualidade de vida, estrategias terapêuticas da fisioterapia e biomedicina.

Eduarda Machado Bitencourt, Claudia Marlaine Xavier Kuerten, Josiane Budny, Talita Tuon

Resumo


Com aumento da expectativa de vida os indivíduos vem alcançando idade mais avançada e desenvolvendo doenças neurodegenerativas como a doença de Alzheimer. Uma doença que leva danos cognitivos, proprioceptivas e a demência. Se apresenta em três estágios: Estagio 1: No  inicio da doença com problemas moderados de memória como esquecimento; Estagio 2: o indivíduos necessita de cuidados ocorre perda da funcionalidade, temporalidade e esquecimentos, perda de memória recentes, a interpretação dos estímulos é prejudicada. Não consegue mais realizar suas atividades diárias sozinho. Estagio 3: perda quase completa da capacidades cognitiva, completa dependência de um cuidador. Métodos Foram realizadas buscas sistematizadas em bases de dados eletrônicas (Scielo, Pubmed, Google Acadêmico). Resultados e conclusão: Os estudos analisados sugerem a eficácia da Fisioterapia, na melhora da função motora, para manter o equilíbrio, a força e a cognição em pacientes com DA. Além disso, exercício está associado com menor prevalência e incidência de demência (32%), bem como de declínio cognitivo. a Biomedicina é muito importante para auxiliar nas áreas que envolvam avaliações da qualidade de vida deste paciente, criar estratégias educativas, de prevenção, promoção e intervenção na busca de uma velhice bem-sucedida junto aos familiares e cuidadores.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18616/inova.v8i2.3573

Direitos autorais 2019 Inova Saúde

Qualis:

B4: Educação Física, Enfermagem e Interdisciplinar.  

B5: Saúde Coletiva

C: Ciências Biológicas I e Medicina I 


ISSN 2317-2460

 

Indexação

      

Suporte e Apoio: