REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DO AUTISMO

Amanda Castro, Caroline Pereira Fernandes, Tamires Rosa Pacheco, Gian de Oliveira Réus, Maicol de Oliveira Brognoli

Resumo


Na atualidade, o autismo está inserido no grupo de perturbações globais do desenvolvimento, sendo denominado como uma perturbação neurobiológica complexa. Em cada 1000 crianças 3 a 6 talvez venham a ser diagnosticadas como autistas, podendo ser de diversos grupos raciais, étnicos ou sociais e podendo atingir 4 a 5 vezes mais o sexo masculino em relação ao sexo feminino. Entende-se por autismo uma inadequação no desenvolvimento, que se apresenta de maneira grave durante toda a vida, e trazendo incapacidades para o indivíduo que a possui (FREITAS, 2015). Partindo desta realidade, percebeu-se a necessidade de se realizar uma pesquisa em uma das instituições que prestam este serviço às famílias de indivíduos autistas: a AMA (Associação de Pais e Amigos dos Autistas da Região Carbonífera de Santa Catarina). Sob este prisma, pretendeu-se realizar a pesquisa com os profissionais da instituição citada, e identificar as representações sociais sobre o autismo mediante ao cargo que exercem como trabalhadores na instituição, e analisar também, seus sentimentos nas suas variadas formas de interação com o indivíduo com o espectro autista. Compreende-se que as concepções desses atores sociais permitem entender a natureza e qualidade de suas relações e intervenções.

Texto completo:

PDF


Direitos autorais 2018 Inova Saúde

Qualis:

B4: Educação Física, Enfermagem e Interdisciplinar.  

B5: Saúde Coletiva

C: Ciências Biológicas I e Medicina I 


ISSN 2317-2460

 

Indexação

      

Suporte e Apoio: