BORN GLOBAL E O PAPEL DAS CAPACIDADES DINÂMICAS NO DESENVOLVIMENTO DE UMA EMPRESA INTERNACIONALIZADA

Izabel Regina de Souza

Resumo


O processo de internacionalização organizacional permeia uma série de questões, envolvendo decisões, motivações, objetivos e a análise de como as empresas descobrem, avaliam e exploram as atividades no exterior (Oviatt & Mcdougall, 2005). A internacionalização pode ser percebida como uma parte do processo de estratégia em curso da maioria das empresas e se relaciona com todos os seus demais aspectos (Melin, 1992). Um dos elementos que contempla esse movimento é a velocidade da internacionalização e o tempo do crescente envolvimento internacional (Hurmerinta-Peltomaki, 2003). Nas últimas duas décadas, passaram a surgir empresas que, diferentemente das explicações apresentadas pelas tradicionais teorias de internacionalização, iniciaram suas atividades internacionais de forma acelerada e em seus primeiros anos de atividades. Tratam-se das empresas denominadas Born Globals (BGs) e que buscam uma proporção substancial das vendas de seus produtos em mercados internacionais desde sua fundação ou entre os três primeiros anos de atividade (Knight & Cavusgil, 2004). O aumento do número destas empresas vem sendo motivado pelas novas condições de mercado, pelos desenvolvimentos tecnológicos em diversas áreas, pelas habilidades das pessoas, podendo ser visualizado como um movimento de resposta ao ambiente empresarial em mudança (Jantunen, Nummela, Puumalainen, & Saarenketo, 2008).Sendo assim, a compreensão do contexto das BGs se apresenta consistente com a perspectiva das CDs e para ampliar os estudos a respeito do desenvolvimento das capacidades organizacionais em processos de internacionalização (Sapienza, Autio, George, & Zahra, 2006; Teece, 2014a). Ademais, conforme postulam Cavusgil e Knight (2015), autores precursores no desenvolvimento de um framework para as BGs, há diversas possibilidades de estudos promissoras e necessárias para ampliar o entendimento da linha de estudos sobre a internacionalização precoce e acelerada de empresas jovens. Uma dessas linhas reside na premência de compreender como as BGs afetam o desenvolvimento de CDs e quais os recursos organizacionais são importantes para a internacionalização precoce e para o desempenho no exterior. Desse modo, o presente estudo abordou essas duas linhas de pesquisa apontadas pelos autores, por meio da análise da história e do desenvolvimento da UMABG brasileira, dedicada a confecção de roupas esportivas. Trata-se de uma empresa que atua há mais de 20 anos no mercado internacional, exportando para mais de 60 países e que iniciou suas atividades internacionais dentro dos dois primeiros anos de sua fundação. A pesquisa desenvolvida analisou as fases de desenvolvimento da empresa como uma BG e o desenvolvimento de CDs dentro da ótica por Teece (2007), sendo elas: capacidade de identificar oportunidades; apreender as oportunidades; e reconfigurar os ativos para manter a evolução organizacional.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2594-4908