ILEGALIDADE NA EXPLORAÇÃO MADEIREIRA: AÇÃO DO INSTITUTO NACIONAL DO PINHO NO OESTE CATARINENSE (1941 – 1966)

Cristiomar Golo

Resumo


A proposta deste trabalho consiste em efetuar uma análise sobre as configurações/reconfigurações paisagísticas
no oeste catarinense, contextualizando a respeito da devastação ambiental, promulgada à medida que aumentava
a demanda de migrantes, que ocorre no início do século XX, por meio de insurreições políticas como a
Revolução Federalista e por meio do intenso uso e o respectivo saturamento do solo. Assim, o presente estudo
procura evidenciar a criação e a consolidação do Instituto Nacional do Pinho, nos anos de 1941 – 1966. Este
órgão teve um papel fundamental na autarquia madeireira, já que buscava bases sólidas para o avanço
progressista, mediante “supervisão” da derrubada das matas, cobrança de impostos na exportação, supervisão a
respeito do pleito de mata desmatada e conscientização para a retomada da biodiversidade, alterada pelo
desmatamento.

Texto completo:

PDF


Direitos autorais