Memórias de um professor primário da Escola Isolada Rio Galo (Urussanga-SC/1956 a 1958)

Jordana Sartor, Giani Rabelo

Resumo


Este artigo apresenta parte da trajetória percorrida pelo professor Celeste Candiotto quando lecionou na Escola de Rio Galo, entre 1956 a 1958, na comunidade de mesmo nome, que pertencia ao município de Urussanga (SC).O objetivo central da pesquisa foi compreender sua escolha pelo magistério, e que lembranças têm de suas práticas pedagógicas. Ele ter ocupado o magistério quando estava em curso a feminização do magistério, chamou a atenção, além deatuar em escola multisseriada. A abordagem desta pesquisa foi qualitativa e como fontes foram utilizados depoimentos do senhor Celeste e documentos cedidos por ele e pela Secretaria Municipal de Educação. Autores como Montenegro (1993), Le Goff (1990) e Bosi (1979) foram usados na discussão sobre memória. Os depoimentos do professor apontam que quebrou tabus, relativo à ideia do castigo escolar, prática comum no tempo em que a escola tradicional tinha fortes traços. Em 1950 já existiam debates que questionavam o castigo escolar, e crianças foram vítimas desta prática. Mas o senhor Celeste apresentou-se revolucionário sendo contra a punir crianças com castigo. Ele também criou nova forma de alfabetizar, por contação de história, algo tão contemporâneo, mesmo tendo o plano de trabalho definido pelo governo estadual para ensinar. O resultado foi positivo, e ele foi convidado a ministrar cursos para professores da região, criando novas oportunidades de conhecimentos sobre o método. A partir deste estudo, é possível conhecer parte da trajetória da escola pública, dando visibilidade aos sujeitos em vezes esquecidos, que fizeram parte dela e contribuíram para sua construção e consolidação.

Palavras Chave: Memória. Magistério. Práticas Pedagógicas.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18616/rsp.v1i1.3190

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Saberes Pedagógicos

 

 

ISSN 2526-4559


Editor-chefe

Dr. Ricardo Luiz de Bittencourt

Corpo Editorial Científico

Dra. Andréia Morés, Universidade de Caxias do Sul, Brasil

Dr. Carlos Augusto Elsébio, Universidade Federal do Paraná, Brasil

Dr. Christian Muleka Mwewa – Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Brasil

Dr. Gildo Volpato, Universidade do Extremo Sul Catarinense, Brasil

Dra. Maria Antônia Ramos de Azevedo, Universidade Estadual Paulista, Brasil

Dra. Maria Isabel da Cunha, Universidade Federal de Pelotas, Brasil

Dra. Marta Regina Furlan de Oliveira, Universidade Estadual de Londrina, Brasil 

Dra. Mariana Saez, Universidade Nacional La Plata, Argentina

Dra. Maria Veronica Leiva Guerrero, Pontificia Universidad Católica de Valparaíso, Chile

Dra. Patrícia Jantsch Fiuza – Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil