O BAIRRO CIDADE MINEIRA VELHA E A CONSTRUÇÃO DA ESCOLA MUNICIPAL PADRE CARLOS WECKI

Ana Paula Zeferino Dal Molin, Giani Rabelo

Resumo


Este artigo tem como objetivo compreender os motivos que levaram a Escola Municipal Padre Carlos Wecki a homenagear um Padre como patrono, mesmo se tratando de uma escola pública, portanto laica. O estudo tem como objetivos específicos: discutir a importância da preservação do patrimônio educativo para a comunidade escolar, compreender a criação do Bairro Cidade Mineira Velha no qual está situada a escola e, ainda, traçar uma breve história da escola. A pesquisa foi do tipo documental e teve como fontes o Projeto Político Pedagógico (PPP) da escola, o livro “Cidade dos Mineiros” de Dirlene Brunelli, Clemente Borges e Luiz Lima, bem como outros documentos escolares. Esta escola, assim como boa parte das instituições, está tomadas pela cultura do descarte, pois muitos documentos já não existem mais, dificultando a reconstrução da sua trajetória e sobre o que motivou a escolha do patrono. Ainda, a prática de colocar um religioso como patrono evidencia o quanto o estado brasileiro não é laico na sua plenitude, como prescreve a Constituição da República Federal do nosso país. Desse modo, é importante que a comunidade escolar passe a ter um olhar diferenciado para o patrimônio educativo guardando e preservando, uma vez que a memória é um direito dos cidadãos e a escola deveria ser uma das guardiãs da memória das comunidades.

PALAVRAS CHAVE: Cidade Mineira Velha. História da Educação. Patrimônio Educativo. História das Instituições Escolares. Patronos.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18616/rsp.v2i0.3389

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Saberes Pedagógicos

 

 

ISSN 2526-4559


Editor-chefe

Dr. Ricardo Luiz de Bittencourt

Corpo Editorial Científico

Dra. Andréia Morés, Universidade de Caxias do Sul, Brasil

Dr. Carlos Augusto Elsébio, Universidade Federal do Paraná, Brasil

Dr. Christian Muleka Mwewa – Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Brasil

Dr. Gildo Volpato, Universidade do Extremo Sul Catarinense, Brasil

Dra. Maria Antônia Ramos de Azevedo, Universidade Estadual Paulista, Brasil

Dra. Maria Isabel da Cunha, Universidade Federal de Pelotas, Brasil

Dra. Marta Regina Furlan de Oliveira, Universidade Estadual de Londrina, Brasil 

Dra. Mariana Saez, Universidade Nacional La Plata, Argentina

Dra. Maria Veronica Leiva Guerrero, Pontificia Universidad Católica de Valparaíso, Chile

Dra. Patrícia Jantsch Fiuza – Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil