A AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NO ENSINO FUNDAMENTAL I: COMO O ALUNO SE PERCEBE NESTE PROCESSO?

Caroline Marangoni Gava, Zélia Medeiros Silveira

Resumo


O texto discute a avaliação da aprendizagem sob o olhar do aluno e tem como objetivo principal: compreender a visão dos alunos do 5º ano do ensino fundamental I sobre o processo de avaliação da aprendizagem, ao qual foram submetidos durante a sua escolaridade. Para que este objetivo fosse alcançado, inicialmente fez-se um estudo teórico para melhor compreender sobre o tema proposto. Em seguida realizou-se uma pesquisa de campo por meio de entrevistas semiestruturadas com oito alunos de uma escola da rede municipal de Nova Veneza/SC. Diante da análise das respostas, percebeu-se que os alunos entrevistados compreendem a avaliação basicamente como a aplicação de provas ou de outros instrumentos formais ao final de um determinado período de estudos e parecem desconhecê-la como um importante instrumento de mediação para o processo de ensino-aprendizagem. Constatou-se ainda que para grande parte destes alunos a avaliação é motivo de ansiedade e que as experiências ruins fazem parte desse processo e, geralmente, estão ligadas ao baixo desempenho obtido na aprendizagem. Eles acreditam que a avaliação contribui com a aprendizagem, pois para realizá-la é fundamental estudo e dedicação. Diante disso foi possível perceber a influência da avaliação classificatória no processo educativo desses alunos. A análise desses resultados aponta para a necessidade de reflexão das práticas pedagógicas desenvolvidas nas escolas, bem como para um maior investimento na formação dos professores que atuam na educação básica.

PALAVRAS-CHAVE: Avaliação. Processo ensino-aprendizagem.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18616/rsp.v2i0.3391

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Saberes Pedagógicos

 

 

ISSN 2526-4559


Editor-chefe

Dr. Ricardo Luiz de Bittencourt

Corpo Editorial Científico

Dra. Andréia Morés, Universidade de Caxias do Sul, Brasil

Dr. Carlos Augusto Elsébio, Universidade Federal do Paraná, Brasil

Dr. Christian Muleka Mwewa – Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Brasil

Dr. Gildo Volpato, Universidade do Extremo Sul Catarinense, Brasil

Dra. Maria Antônia Ramos de Azevedo, Universidade Estadual Paulista, Brasil

Dra. Maria Isabel da Cunha, Universidade Federal de Pelotas, Brasil

Dra. Marta Regina Furlan de Oliveira, Universidade Estadual de Londrina, Brasil 

Dra. Mariana Saez, Universidade Nacional La Plata, Argentina

Dra. Maria Veronica Leiva Guerrero, Pontificia Universidad Católica de Valparaíso, Chile

Dra. Patrícia Jantsch Fiuza – Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil