Ensino de Ciências no 4º ano do Ensino Fundamental: reprodutivo ou problematizador? O que pensam os alunos?

Shirley Monteiro Rocha, Zélia Medeiros Silveira

Resumo


O processo ensino-aprendizagem vem sendo tema de estudo por diversos pesquisadores no cenário atual da educação, incitando as discussões sobre a importância da problematização das práticas pedagógicas. Foi pensando nessa perspectiva que a presente pesquisa teve como objetivo analisar se os alunos do 4º ano do Ensino Fundamental formulam problematizações nas aulas de Ciências. Com o propósito de aprofundar a concepção problematizadora, dedicou-se ao estudo teórico das obras de Paulo Freire e de Delizoicov, Angotti e Pernambuco, que vêem na problematização a possibilidade da construção de novos saberes por meio de uma prática pedagógica interativa. Realizou-se ainda uma pesquisa de campo em uma escola pública municipal de Criciúma, por meio da observação de duas aulas de Ciências além da entrevista com sete alunos do 4º ano do Ensino Fundamental. Os resultados indicaram que os alunos não formulam problematizações durante ou após a aula de Ciências e suas posturas distanciam-se da Problematização da educação proposta por Paulo Freire e Delizoicov, Angotti e Pernambuco, pois ainda estão inseridos num processo de ensino que visa à reprodução dos conteúdos prejudicando sua formação como sujeitos críticos e reflexivos, os colocando na posição de expectadores e não participantes ativos na apropriação do conhecimento.


PALAVRAS-CHAVE: Problematização. Conhecimento. Aluno. Ciências


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18616/rsp.v2i1.3722

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Saberes Pedagógicos

 

 

ISSN 2526-4559


Editor-chefe

Dr. Ricardo Luiz de Bittencourt

Corpo Editorial Científico

Dra. Andréia Morés, Universidade de Caxias do Sul, Brasil

Dr. Carlos Augusto Elsébio, Universidade Federal do Paraná, Brasil

Dr. Christian Muleka Mwewa – Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Brasil

Dr. Gildo Volpato, Universidade do Extremo Sul Catarinense, Brasil

Dra. Maria Antônia Ramos de Azevedo, Universidade Estadual Paulista, Brasil

Dra. Maria Isabel da Cunha, Universidade Federal de Pelotas, Brasil

Dra. Marta Regina Furlan de Oliveira, Universidade Estadual de Londrina, Brasil 

Dra. Mariana Saez, Universidade Nacional La Plata, Argentina

Dra. Maria Veronica Leiva Guerrero, Pontificia Universidad Católica de Valparaíso, Chile

Dra. Patrícia Jantsch Fiuza – Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil