A LÍNGUA DE VERA: O PRECONCEITO LINGUÍSTICO NO AMBIENTE ESCOLAR

Camila Ghizone de Oliveira, Samira Casagrande

Resumo


O presente artigo tem por finalidade conhecer, por meio de uma pesquisa de campo, o preconceito linguístico enfrentado por Vera, em razão de trazer em sua fala traços de sua língua materna. Decidiu-se entrevistar uma menina de 11 anos, atualmente estudante do 6º ano do Ensino Fundamental, que durante anos vem sendo motivo de “zoações”, tanto no ambiente escolar quanto na sociedade. Dessa forma, a partir de sua fala, percebeu-se que algumas pessoas que Vera tinha contato acreditavam que sua linguagem tinha“problema” e/ou “engraçada”. No entanto, a partir dos estudos realizados, pressupõe-se que Vera carrega consigo traços da linguagem da mãe, visto que possui características apreendidas no seio familiar. O estudo revelou que a vida de Vera se resume a monitorar-se linguisticamente diante de todos, como uma forma de tentar impedir o surgimento de possíveis preconceitos linguísticos. Tornou-se perceptível também que a sua vida e a de sua família simplificam-se ao fato de estarem no país de origem, mas viverem como estrangeiros, pois não são entendidos pelos demais e não possuem participação ativa na sociedade.

 

Palavras-Chave: Preconceito Linguístico. Língua Materna. Escola- Sociedade.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18616/rsp.v2i2.4249

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista Saberes Pedagógicos

 

 

ISSN 2526-4559


Editor-chefe

Dr. Ricardo Luiz de Bittencourt

Corpo Editorial Científico

Dra. Andréia Morés, Universidade de Caxias do Sul, Brasil

Dr. Carlos Augusto Elsébio, Universidade Federal do Paraná, Brasil

Dr. Christian Muleka Mwewa – Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Brasil

Dr. Gildo Volpato, Universidade do Extremo Sul Catarinense, Brasil

Dra. Maria Antônia Ramos de Azevedo, Universidade Estadual Paulista, Brasil

Dra. Maria Isabel da Cunha, Universidade Federal de Pelotas, Brasil

Dra. Marta Regina Furlan de Oliveira, Universidade Estadual de Londrina, Brasil 

Dra. Mariana Saez, Universidade Nacional La Plata, Argentina

Dra. Maria Veronica Leiva Guerrero, Pontificia Universidad Católica de Valparaíso, Chile

Dra. Patrícia Jantsch Fiuza – Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil