MEMÓRIAS DE INFÂNCIA: BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NA VILA OPERÁRIA MINEIRA DA PRÓSPERA (1940 - 1950)

Diane Pereira Guerreiro Medeiros, Marli de Oliveira Costa

Resumo


Esse artigo aborda algumas lembranças de infâncias na Vila Operária Próspera entre os anos (1940 – 1950). O objetivo é compreender como as pessoas que eram crianças no tempo investigado viveram suas infâncias. A metodologia foi à consulta as entrevistas realizadas por uma professora da Unesc, durante sua pesquisa de mestrado. Para abordar o tema utilizo como categorias: Infância, criança e memória. Além dessas categorias precisei consultar a história desta vila. Assim, os autores e autoras consultados foram: ARIÉS (2006), BOSI (1994), BOSI (2005), COSTA (1998),COSTA (1999), FANTIN (2000), OSTETTO, COSTA e BERNARDO (2004). De forma geral, foi possível analisar a maneira que as crianças lidavam com os brinquedos e brincadeiras no período investigado, a relação que tinham entre pares etários, e os costumes e valores das famílias da vila Operária Próspera, que eram representados nas brincadeiras.

 

Palavras-chave: Memórias. Infância. Brinquedos. Brincadeiras.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18616/rsp.v2i2.4250

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista Saberes Pedagógicos

 

 

ISSN 2526-4559


Editor-chefe

Dr. Ricardo Luiz de Bittencourt

Corpo Editorial Científico

Dra. Andréia Morés, Universidade de Caxias do Sul, Brasil

Dr. Carlos Augusto Elsébio, Universidade Federal do Paraná, Brasil

Dr. Christian Muleka Mwewa – Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Brasil

Dr. Gildo Volpato, Universidade do Extremo Sul Catarinense, Brasil

Dra. Maria Antônia Ramos de Azevedo, Universidade Estadual Paulista, Brasil

Dra. Maria Isabel da Cunha, Universidade Federal de Pelotas, Brasil

Dra. Marta Regina Furlan de Oliveira, Universidade Estadual de Londrina, Brasil 

Dra. Mariana Saez, Universidade Nacional La Plata, Argentina

Dra. Maria Veronica Leiva Guerrero, Pontificia Universidad Católica de Valparaíso, Chile

Dra. Patrícia Jantsch Fiuza – Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil