INCLUSÃO DO AUTISTA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Janaína Crepaldi, Édina Regina Baumer

Resumo


Atualmente, a inclusão é uma realidade dentro das escolas do país. E tanto o professor quanto a comunidade escolar precisam estar preparados para trabalhar com a diversidade em sala de aula, que abrange desde deficiências físicas até neurológicas. O autismo é uma das diversas especificidades das quais encontram-se hoje, inseridas na escola regular e por ser um transtorno altamente complexo, de difícil compreensão e diagnóstico, onde suas características variam de pessoa para pessoa, a complexidade para se trabalhar com um aluno autista é ainda maior. Devido à dificuldade de socialização do aluno autista, busca-se constantemente meios nos quais esse aluno se envolva e se desenvolva cognitivamente de forma significativa. Assim, através do presente estudo, procurou-se investigar a contribuição da musicalidade para o desenvolvimento social do aluno autista bem como quais os avanços que a música possibilita na inclusão desse aluno. O método utilizado para a elaboração da presente pesquisa foi de procedimento bibliográfico, de abordagem qualitativa, sendo de natureza básica e quanto aos objetivos, exploratória, que culminou na apresentação de relatos de experiências de que a musicalidade, de alguma maneira, estimula o aluno autista, proporcionando-lhe momentos prazerosos, que tornam simples atos em estímulos significativos para o seu desenvolvimento.

PALAVRAS CHAVE: Autismo. Música. Educação Infantil.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18616/rsp.v3i1.4566

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista Saberes Pedagógicos

 

 

ISSN 2526-4559


Editor-chefe

Dr. Ricardo Luiz de Bittencourt

Corpo Editorial Científico

Dra. Andréia Morés, Universidade de Caxias do Sul, Brasil

Dr. Carlos Augusto Elsébio, Universidade Federal do Paraná, Brasil

Dr. Christian Muleka Mwewa – Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Brasil

Dr. Gildo Volpato, Universidade do Extremo Sul Catarinense, Brasil

Dra. Maria Antônia Ramos de Azevedo, Universidade Estadual Paulista, Brasil

Dra. Maria Isabel da Cunha, Universidade Federal de Pelotas, Brasil

Dra. Marta Regina Furlan de Oliveira, Universidade Estadual de Londrina, Brasil 

Dra. Mariana Saez, Universidade Nacional La Plata, Argentina

Dra. Maria Veronica Leiva Guerrero, Pontificia Universidad Católica de Valparaíso, Chile

Dra. Patrícia Jantsch Fiuza – Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil