TECNOLOGIAS DIGITAIS NA INFÂNCIA: REFLEXÕES A PARTIR DA PERCEPÇÃO DAS FAMÍLIAS

Martina Gomes Apolinário, Graziela Fátima Giacomazzo

Resumo


As tecnologias estão cada vez mais presentes no cotidiano das crianças, que crescem e se desenvolvem junto com estes recursos. O objetivo geral deste artigo é analisar quais as interações que as crianças de 4 a 5 anos estabelecem no uso dos recursos tecnológicos digitais a partir do enfoque das famílias; e como objetivos específicos: identificar quais os recursos tecnológicos crianças entre 3 a 5 anos tem acesso; identificar como ocorre o acesso aos recursos tecnológicos na infância e compreender a percepção dos pais sobre o uso de tecnologias digitais na infância. A presente pesquisa é de cunho qualitativo, de caráter exploratório, bibliográfica, e de campo, e teve como instrumento de pesquisa um questionário aplicado com 11 pais de alunos da Educação Infantil de 4 a 5 anos, especificamente de uma turma do pré-escolar da mesma instituição de ensino particular de Criciúma. As respostas foram analisadas em 4 eixos: brinquedos e brincadeiras preferidos; crianças e suas tecnologias: recursos e seus dispositivos; acesso a tecnologia; percepção das contribuições pelas famílias. Foram utilizados os seguintes autores para o referencial teórico Aries (1981), Amante (2011), Volpato (2002), entre outros. A partir desta pesquisa conclui-se que os pais apesar da preocupação com o uso em excesso destes recursos, percebem e reconhecem a importância do uso dos mesmos para o desenvolvimento de seus filhos.

PALAVRAS CHAVE: Infância. Tecnologias. Brinquedos. Educação Infantil.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18616/rsp.v3i1.4572

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista Saberes Pedagógicos

 

 

ISSN 2526-4559


Editor-chefe

Dr. Ricardo Luiz de Bittencourt

Corpo Editorial Científico

Dra. Andréia Morés, Universidade de Caxias do Sul, Brasil

Dr. Carlos Augusto Elsébio, Universidade Federal do Paraná, Brasil

Dr. Christian Muleka Mwewa – Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Brasil

Dr. Gildo Volpato, Universidade do Extremo Sul Catarinense, Brasil

Dra. Maria Antônia Ramos de Azevedo, Universidade Estadual Paulista, Brasil

Dra. Maria Isabel da Cunha, Universidade Federal de Pelotas, Brasil

Dra. Marta Regina Furlan de Oliveira, Universidade Estadual de Londrina, Brasil 

Dra. Mariana Saez, Universidade Nacional La Plata, Argentina

Dra. Maria Veronica Leiva Guerrero, Pontificia Universidad Católica de Valparaíso, Chile

Dra. Patrícia Jantsch Fiuza – Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil