INFÂNCIAS, CRIANÇAS: LEMBRANÇAS DO TRABALHO NA ROÇA (CRICIÚMA 1930 – 1950)

Simone Caetano Fernandes, Marli de Oliveira Costa

Resumo


Esse artigo aborda memorias de pessoas que viveram sua infância entre os anos de 1930 a 1950. Pergunta-se: o que era viver a infância em ambiente em que trabalhava na roça? O objetivo desse trabalho é compreender como as crianças lidavam com a obrigação de trabalhar na roça, conciliando trabalho, estudo e brincadeiras. A metodologia utilizada foi a pesquisa documental, resultados de entrevistas realizadas entre 1999 a 2003 que possuem relatos de pessoas que moram em Criciúma e que recordaram como foi sua infância e o trabalho na roça, realizados por uma historiadora da UNESC e pelo Grupo de Pesquisa História e Memória da Educação GRUPHEME. Para tanto, necessitei dos conceitos de memória, história oral, infância, tendo por referencias: Ecléa Bosi (2004), José Carlos Sebe Bom Meihy (2005), Marli de Oliveira Costa (2009), (2000), (2001), Philippe Áries (1981). Como discuto trabalho infantil utilizei também o Estatuto da Criança e do Adolescente (2010) e Miguel Arroyo (2015) para atualizar essa situação. Percebe-se pelas lembranças que embora tenham trabalhado desde criança conseguiram inventar brincadeiras e que a frequência na escola foi prejudicada, devido as exigências do trabalho na roça.

PALAVRAS CHAVE: Infância. Trabalho. Memórias.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18616/rsp.v3i1.4574

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista Saberes Pedagógicos

 

 

ISSN 2526-4559


Editor-chefe

Dr. Ricardo Luiz de Bittencourt

Corpo Editorial Científico

Dra. Andréia Morés, Universidade de Caxias do Sul, Brasil

Dr. Carlos Augusto Elsébio, Universidade Federal do Paraná, Brasil

Dr. Christian Muleka Mwewa – Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Brasil

Dr. Gildo Volpato, Universidade do Extremo Sul Catarinense, Brasil

Dra. Maria Antônia Ramos de Azevedo, Universidade Estadual Paulista, Brasil

Dra. Maria Isabel da Cunha, Universidade Federal de Pelotas, Brasil

Dra. Marta Regina Furlan de Oliveira, Universidade Estadual de Londrina, Brasil 

Dra. Mariana Saez, Universidade Nacional La Plata, Argentina

Dra. Maria Veronica Leiva Guerrero, Pontificia Universidad Católica de Valparaíso, Chile

Dra. Patrícia Jantsch Fiuza – Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil