ESCOLA DE TEMPO INTEGRAL NA PERSPECTIVA DOS EDUCANDOS DO 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

Bruna Demetrio Vicente, Ricardo Luiz de Bittencourt

Resumo


RESUMO: A jornada ampliada escolar vem crescendo no âmbito da educação como uma das alternativas para desenvolver a formação integral dos estudantes. Nesse sentido, este artigo tem por objetivo geral analisar a visão dos educandos da turma do 4º ano do Ensino Fundamental sobre a escola municipal de tempo integral em que estudam. Buscou-se entender a instituição de tempo integral e a sua importância na visão das crianças e, ainda, a função social e as concepções que fazem parte da escola pesquisada. O trabalho baseou-se, sobretudo, nos seguintes autores: Luckesi (1994), Santa Catarina (2014), Brasil (2009) e Cavaliere (2007). Inicialmente, apresentam-se as questões das concepções de educação, a escola e sua função social. Em seguida, a escola de tempo integral, de maneira a retratar um breve contexto histórico e suas concepções. Por conseguinte, enfatizou-se a criança e suas percepções pelo mundo. A coleta de dados deu-se por meio de uma entrevista de natureza básica e caráter qualitativo, com seis crianças da turma do 4º ano, em uma escola municipal de tempo integral, no ano de 2018-2, na cidade de Criciúma-SC. Logo, os dados foram analisados por intermédio de dois blocos: o primeiro enfatizou a visão da criança em relação à escola de tempo integral e; o segundo abordou as concepções e a função social do estabelecimento de ensino. Em razão disso, foi possível analisar que as crianças gostam de estudar na instituição pesquisada e compreendem a sua importância. Bem como, constatou-se as concepções presentes na escola e suas funções.
PALAVRAS-CHAVE: Educação. Escola de tempo Integral. Criança.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18616/rsp.v4i1.5735

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Revista Saberes Pedagógicos

 

 

ISSN 2526-4559


Editor-chefe

Dr. Ricardo Luiz de Bittencourt

Corpo Editorial Científico

Dra. Andréia Morés, Universidade de Caxias do Sul, Brasil

Dr. Carlos Augusto Elsébio, Universidade Federal do Paraná, Brasil

Dr. Christian Muleka Mwewa – Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Brasil

Dr. Gildo Volpato, Universidade do Extremo Sul Catarinense, Brasil

Dra. Maria Antônia Ramos de Azevedo, Universidade Estadual Paulista, Brasil

Dra. Maria Isabel da Cunha, Universidade Federal de Pelotas, Brasil

Dra. Marta Regina Furlan de Oliveira, Universidade Estadual de Londrina, Brasil 

Dra. Mariana Saez, Universidade Nacional La Plata, Argentina

Dra. Maria Veronica Leiva Guerrero, Pontificia Universidad Católica de Valparaíso, Chile

Dra. Patrícia Jantsch Fiuza – Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil