COOPERATIVA DE EXTRAÇÃO MINERAL DO POLO DE MORRO DA FUMAÇA COMO FERRAMENTA PARA VIABILIZAR A ATIVIDADE INDUSTRIAL

Mario Sérgio Bortolatto

Resumo


A indústria de cerâmica vermelha é caracterizada como indústria de transformação de materiais não metálicos (SANTOS, 2001). Os produtos provenientes deste processo após a queima apresentam-se caracteristicamente avermelhados, tais como tijolos, telhas, manilhas, elementos vazados, lajotas, entre outros (ABC, 2013, LIMAVERDE, 1983). Na região do Município de Morro da Fumaça é historicamente reconhecido como um polo da cerâmica vermelha principalmente na fabricação de tijolos e telhas. A atividade de fabricação de tijolos no sul catarinense teve seu inicio segundo (DALL’ALBA, 1983, pg. 58) em 1892 localizada no município de Nova Veneza, promovida pela então Companhia Metropolitana de Imigração. Já na região do Município de Morro da Fumaça segundo (ZANELATTO, 1998) a cerâmica estrutural teve inicio em 1932, vindo como promessa de industrialização do então distrito de Urussanga. A grande quantidade de empresas nesta atividade se dá por conta da grande quantidade de matéria prima existente em toda a região. Toda atividade que altera o meio ambiente e a atividade de extração de argila é potencialmente capaz de inutilizar áreas de extração, é alvo de normatização e fiscalização da união. A propriedade do subsolo é da união, portando qualquer atividade extrativa deve ser requerida junto aos órgãos do poder publico (DNPM 2008). No intuito de atendimento as normas estabelecidas pela união para extração de argila os fabricantes de tijolos e telhas constituíram uma cooperativa que operacionalizou as etapas de requisição e extração dentro das normas estabelecidas para extração da matéria prima. A constituição da cooperativa mineral previsto pela Constituição Federal de 1988 foi à forma encontrada para viabilizar a continuidade da atividade industrial, pois individualmente poucas unidades contam com capacidade financeira para atendimento das exigências legais.  É evidente que a formação de uma cooperativa reside na convergência de interesses dos objetivos comuns, que passa a atuar de forma articulada em um processo de amadurecimento continua. O modo cooperativo possibilitou a atividade de extração mineral no polo cerâmico de Morro da Fumaça, o atendimento da legislação, operacionalização das atividades ligadas ao fornecimento de matéria prima aos associados e a garantia de emprego e renda a uma grande contingente de pessoas, principalmente as que não possuem uma escolaridade alta.

Palavras-chave: Cooperativa Mineral; Indústria; Trabalho; Desenvolvimento.


Texto completo:

PDF


Direitos autorais 2016 Seminário de Ciências Sociais Aplicadas

ISSN 2236-1944