EMPREENDEDORISMO SOCIAL FEMINININO E AS MOTIVAÇÕES PARA A CRIAÇÃO E GESTÃO DE EMPREENDIMENTOS SOCIAIS

Maristela Quartiero de Faveri, Melissa Watanabe

Resumo


A proposta deste estudotem como objetivo analisaro empreendedorismo social feminino,com intuito de entender como essas mulheresatuam, suas características empreendedorase quais as suas motivações na criação/gestão de empreendimentos sociais. Para tanto faz-se necessário compreender o conceito de empreendedorismo social. SegundoDees (1998), o empreendedorismo social surge a partir da ineficiência do poder público e do poder privado em atender um parcela da população. Ser um empreendedor social para o autor, demanda alto grau de envolvimento com a missão social, gestão técnica apropriada, alto grau de inovação e determinação. É importante ressaltar que o empreendedorismo social tem como fundamento a transformação social, gerando impacto no desenvolvimento das pessoas e/ou comunidades. Ao observar as mulheres, pode-se dizer que têm um papel importante também neste aspecto, pois em sua maioria, são elas que estão atentas às questões sociais. Segundo Humbert (2002),as mulheres tiveram um impacto positivo na sociedade por meio do envolvimento no terceiro setor, colocando alguns temas, como crianças, família, saúde da mulher, violência e discriminação contra certos grupos da população na agenda social. Nesse sentido, vale ressaltar que o empreendedorismo social surge a partir da concepção de setor 2.5,que está entre os setores 2.0 e 3.0. O referido setor é construído a partir da união de empresas privadas e que visam apenas o lucro, com as ONG’sque não possuem fins lucrativos. Ratificando esta discussão,o site da organização Social Good Brasil (2016), afirma que: “Negócios sociais ou negócios de impacto social crescem no Brasil e compõe o setor 2.5, ficando entre o segundo setor (privado) e o terceiro setor (ONG’s).Sendo assim, entende-se que há uma ascensão deste setor no país. Os problemas sociais não podem ficar apenas nos discursos dos ditos ativistas sociais, visto que é um problema de toda a sociedade. Conforme Neto e Froes (2002, p.15):“Intelectuais, políticos, empresários e pesquisadores sociais apontam distorções, culpam o governo, criticam as políticas públicas e identificam gestores e instituições corruptas, ineficientes e ineficazes”. Quando houver entendimento de que as ações faladas na teoria devem ser praticadas na realidade em prol do bem da sociedade, a tendência é de que haja uma mudança e o discurso comece a ser praticado. Para contemplar o objetivo deste estudo, em primeiro lugar, será feita uma busca de artigos científicos que analisem tanto o empreendedorismo social quanto empreendedorismo feminino, após será observado os empreendimentos sociais de Criciúma – SC. Em um terceiro momento, realizar-se-á uma entrevista semiestruturada com as gestoras/fundadoras dos respectivos negócios afim de entender o que as motiva no exercício desta função. Quanto aos procedimentos metodológicos, a pesquisa possuirá caráter qualitativo, exploratório e descritivo. Segundo Creswell (2010, p.26) “A pesquisa qualitativa é um meio para explorar e para entender o significado que os indivíduos ou os grupos atribuem a um problema social ou humano”. A abordagem qualitativa se faz adequada nesta pesquisa para que os fenômenos possam ser estudados e interpretados.

Palavras-chave: Empreendedorismo Social; Empreendedorismo Feminino; Negócios Sociais.


Texto completo:

PDF


Direitos autorais 2016 Seminário de Ciências Sociais Aplicadas

ISSN 2236-1944