FORMAÇÃO DOS JOVENS NO RURAL: REDUÇÃO, PERMANÊNCIA OU CRESCIMENTO, NO SUL DE SANTA CATARINA

Max Richard Coelho Verginio, Dimas de Oliveira Estevam

Resumo


As pesquisas sobre o mundo rural, normalmente, apontam para o baixo nível da formação escolar da população rural em relação a urbana. No entanto há indicativos de que os jovens rurais estariam dedicando mais anos à sua formação acadêmica, com aumento considerável de sua participação no ensino superior. Se formação em curso superior influência na decisão de permanecer ou não no campo, de que modo aconteceu estas decisões nos últimos anos, entre os jovens que residem no campo. Dados da PNAD, mostram que a população rural total aumentou em relação à média de escolarização, enquanto que na população rural não alfabetizada sofreu uma redução no período de 2004 a 2014. Esta pesquisa buscará saber em quais proporções aconteceram esta redução, se dando apenas em quantidade ou também em qualidade. Este trabalho é uma proposta de pesquisa para identificar as características, referente a formação escolar, da população jovem do meio rural. Busca também perceber as mudanças da população rural em relação ao nível de formação, no caso, ensino fundamental, médio ou e superior. Apontando se esta relação é de redução, permanência ou crescimento na região sul catarinense. A pesquisa possui caráter quantitativo, pois busca analisar por meio de ferramentas estatísticas, o comportamento das variáveis que identifiquem os níveis de formação escolar dos jovens no meio rural, com idade entre 16 e 29 anos. Para responder as questões levantadas, serão utilizadas bases de dados secundárias, como do IBGE e INEP. Os resultados visam fomentar pesquisas futuras, de questões que envolvam a relação entre o grau de formação e a permanência do jovem no campo.

Palavras-chave: Jovem rural; Escolarização; Formação.


Texto completo:

PDF


Direitos autorais 2016 Seminário de Ciências Sociais Aplicadas

ISSN 2236-1944