DOCÊNCIAS FEMININAS NO INSTITUTO FEDERAL SANTA CATARINA – IFSC: ASPECTOS HISTÓRICOS, TENSÕES E DESAFIOS

Eliane Juraski Camillo, Rafaela Becher Faustini

Resumo


O presente resumo é oriundo da pesquisa Docências Femininas no Instituto Federal Santa Catarina – IFSC: aspectos históricos, tensões e desafios, o qual foi desenvolvido no Instituto Federal de Santa Catarina – IFSC, entre agosto de 2017 a julho de 2018. O mesmo foi formulado a partir de uma inquietação da pesquisadora responsável, advinda de informação veiculada no Anuário Estatístico – IFSC (2017), de que os homens compõem um total de 62,13% do percentual total de docentes do Instituto Federal de Santa Catarina – IFSC, sendo, portanto, as mulheres, a minoria, em número, nessa carreira. Contrastando esse número com o fato de que, na educação básica em geral, as mulheres docentes constituem a maioria, descortina-se aí um profícuo campo de pesquisa. Assim, a pesquisa teve como objetivo geral investigar como se constituem as docências femininas no Instituto Federal Santa Catarina – IFSC, perquirindo acerca de seus aspectos históricos, as tensões vivenciadas e os desafios que se interpõem a essas professoras. No tocante aos objetivos específicos, busca-se traçar um panorama histórico sobre docência e mulheres, mais precisamente sobre o ingresso das mulheres da docência e como se deu o processo de feminização da docência; investigar as tensões vivenciadas pelas docentes no IFSC, especialmente se há algumas e, se houver, em que medida, advindas de questões de gênero, dado que parte-se da hipótese de que essas docentes, em sua maior parte, atuam em áreas e cursos da educação profissional e tecnológica onde a presença masculina ainda é predominante; e, ainda, refletir acerca dos desafios interpostos às docentes do IFSC no tocante à realização de seu trabalho docente/pedagógico na instituição, decorrentes de sua condição enquanto mulheres. Em relação à metodologia, a pesquisa foi desenvolvida através de abordagem qualitativa, tendo o método autobiográfico como ferramenta de produção de dados, por intermédio do instrumento questionário online. Os dados produzidos apontam primordialmente para o fato de que mais de um terço das professoras pesquisadas enfrentam alguns desafios na realização de seu trabalho docente, sobretudo relacionados a violências e preconceitos, as quais atribuem ao fato de serem mulheres, sendo que o mesmo percentual considera que seu trabalho não é valorizado em igual medida que o trabalho docente dos colegas homens. Essas professoras que têm esses sentimentos/percepções, em sua maioria, não costumam partilhar dos mesmos com suas chefias imediatas e, quando o fazem, afirmaram que não perceberam grande esforço institucional no sentido de auxiliá-las a superarem esses problemas. Diante disso, ressalta-se a importância da pesquisa, que reside no fato de que a mesma se propõe a contribuir na produção do conhecimento acerca da temática pesquisada, podendo-se constituir em um importante subsídio no sentido de alargar os estudos feministas, mais especificamente sobre mulheres e docência, subsidiando a construção de políticas que intervenham na questão e favoreçam o engendrar de uma cultura de respeito às professoras, às mulheres em geral.

Palavras – chave: Educação Profissional e Tecnológica, Ensino, Docências Femininas.


Texto completo:

PDF


Direitos autorais 2018 Seminário de Ciências Sociais Aplicadas

ISSN 2236-1944