UM NOVO OLHAR SOBRE AS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL EM TEMPO INTEGRAL: EXPERIÊNCIAS DE GESTÃO PARTICIPATIVA EM UM SISTEMA MUNICIPAL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18616/ce.v11i1.5912

Resumo

Relata-se uma experiência de gestão educacional em um sistema municipal, relacionada à educação infantil em tempo integral. A partir da escuta sensível das crianças, percebeu-se a necessidade de uma abordagem gestionária que levasse em conta as peculiaridades e responsabilidades sociais da escola e das famílias envolvidas. Os dados disponíveis foram obtidos por pesquisa documental e pela observação informal praticada pelos autores. A permanência da criança na escola por mais de dez horas diárias, além de não garantir o direito à convivência familiar, não corresponderia necessariamente à qualidade na educação integral. Por isso, foi proposto um modelo de redução da carga horária nas escolas, sem ferir a legislação ou prejudicar as demandas familiares. Os resultados proporcionaram conquistas para alunos, famílias e as escolas municipais.

 

Palavras-chave: Educação Infantil. Gestão escolar. Educação em tempo integral.

Biografia do Autor

Elaine Cristina Diogo Dellamonica, Secretaria Municipal de Educação

Atua na Secretaria de Educação de Santos/ Departamento Pedagógico/ Apoio Pedagógico da Seção de Educação Infantil

Paulo Roberto Prado Constantino, Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza - CEETEPS

Doutor em Educação. Atua na Unidade de Pós-Graduação, Extensão e Pesquisa do CEETEPS

Referências

ALESP. Lei 16.279, de 08 de julho de 2016. Plano Estadual de Educação de São Paulo e dá outras providências. 8 de julho de 2016. DOE. Disponível em: <https://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/lei/2016/lei-16279-08.07.2016.html>. Acesso em: 18 mar. 2020.

ARAÚJO, V.C. O “tempo integral” na educação infantil: uma análise de suas concepções e práticas. In: ARAÚJO, V.C. et al. Educação infantil em jornada de tempo integral: dilemas e perspectivas. Brasília: Ministério da Educação; Vitória: EDUFES, 2015. p.17-56.

ARAÚJO, V.C. et al. Educação infantil em jornada de tempo integral: dilemas e perspectivas. Brasília: Ministério da Educação; Vitória: EDUFES, 2015.

BARBOSA, M. C. S.; HORN, M. G. S. Organização do espaço e do tempo na escola infantil. In: CRAIDY, C.; KAERCHER, G. E. Educação Infantil. Pra que te quero? Porto Alegre: Artmed, 2001, p. 67-79.

BARBOSA, M.C.S; RICHTER, S.R.S; DELGADO, A.C.C. Educação Infantil: tempo integral ou educação integral? Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 31, n. 04, p. 95-119, out-dez, 2015. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.hp?script=sci_arttext&pid=S0102-46982015000400095&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 22 abr. 2020.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm. Acesso em: 22 abr. 2020.

____. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm>. Acesso em: 22 abr. 2020.

____. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9394.htm>. Acesso em: 11 abr. 2020.

____. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Brasília, 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm>. Acesso em: 18 mar. 2020.

CAVALIERE, A.M.; Tempo de escola e qualidade na educação pública. Educação e Sociedade, Campinas, vol.28, n. 100 – Especial, p. 1015-1035, out. 2007.

_____. Escola pública de tempo integral no Brasil: Filantrópica ou Política de Estado?. Educação e Sociedade, Campinas, v. 35, n. 129, p. 1205-1222, out-dez, 2014.

CERQUEIRA, T. C. S.; SOUSA, E. M. Escuta sensível: o que é? Escuta sensível em diferentes contextos laborais. In: CERQUEIRA, T. C. S. (org.). (Con)Textos em escuta sensível. Brasília: Thesaurus, 2011. p.15-52.

FERNANDES, C. O. A organização do tempo escolar: séries ou ciclos? Para além do senso-comum. Florianópolis: UFSC, 2008.

KISHIMOTO, T. M. A LDB e as instituições de Educação Infantil: desafios e perspectivas. Revista Paulista de Educação Física, São Paulo, n.4, p.07-14, 2001.

SAMPAIO, M; GALLAN, C. Educação em tempo integral: implicações para o currículo da escola básica. São Paulo: Sem Fronteira, 2012.

SAMPIERI, R. H. et. al. Metodologia de pesquisa. 5 ed. Porto Alegre: Penso, 2013.

SAVIANI, D. Instituições escolares: conceito, história, historiografia e práticas. Cadernos de História da Educação, Uberlândia, n. 4, p. 27-33, jan. dez. 2005. Disponível em: <http://www.seer.ufu.br/index.php/che/article/view/382/363>. Acesso em: 22 abr. 2020.

ZAMONER, M. Gestão do tempo escolar: a questão das interrupções de aulas.

Downloads

Publicado

2022-09-28