Análise da influência das juntas de assentamento na resistência a aderência do sistema de revestimento cerâmico de fachada

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18616/civiltec.v7i1.6779

Resumo

Nos últimos anos houve um aumento significativo na utilização do revestimento cerâmicos em fachadas, devido às suas diversas vantagens comparado à outros tipos de revestimento. Entretanto, percebe-se que há falhas em alguns aspectos quando se trata de estudos relacionados ao desempenho dos componentes do revestimento cerâmico como sistema, metodologias de ensaios laboratoriais para avaliar sua degradação e definição da previsibilidade de vida útil. Entre as patologias mais frequentes nos sistemas de revestimentos cerâmicos de fachadas podemos citar o destacamento, que ocorre devido a sua exposição a vários fatores degradantes, como radiação, variações de temperatura e umidade. Dentre vários requisitos, a junta de assentamento é o componente responsável pelo alívio das tensões sobre o revestimento cerâmico. Deste modo, o presente estudo tem como objetivo analisar a influência das juntas de assentamento na resistência de aderência do sistema de revestimento cerâmico de fachadas, quando submetido a ensaios de envelhecimento acelerado. As amostras são compostas por substrato padronizado da ABCP, argamassa colante AC-III, placas cerâmicas BIIa e argamassa de rejuntamento Tipo II. As referidas amostras foram submetidas a 1994 ciclos higrotérmicos, com duração de 65 minutos cada. A variável avaliada é a espessura das juntas de assentamento, onde foram moldados painéis com junta de assentamento zero, juntas de 1,5 mm e juntas de 3 mm.

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 8522: Concreto – Determinação do módulo estático de elasticidade à compressão. Rio de Janeiro, 2008. 16 p.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 13818: 1997: Placas cerâmicas para revestimento – especificação e métodos de ensaio. Rio de janeiro, 1995.

_______ . NBR13755: Revestimento de paredes externas e fachadas com placas cerâmicas e com utilização de argamassa colante – Procedimento. Rio de Janeiro, 1996.

_______ . NBR 13277: Argamassa para assentamento de paredes e revestimento de paredes e tetos - Determinação da retenção de água – Especificação. Rio de Janeiro, 2005.

_______ . NBR 13278: Argamassa para assentamento revestimento de paredes – Determinação da densidade de massa e do teor de ar incorporado – Especificação. Rio de Janeiro, 2005.

_______ . NBR 13279: Argamassa para assentamento e revestimento de paredes e tetos – Determinação da resistência à tração na flexão e à compressão. Rio de Janeiro, 2005.

_______ . NBR 13281: Argamassa para assentamento e revestimento de paredes e tetos – Requisitos. Rio de Janeiro, 2005.

_______. NBR 14081-1 – Argamassa colante industrializada para assentamento de placas cerâmicas. Parte 1: Requisitos. Rio de Janeiro, 2012.

_______ . NBR 14081-2 – Argamassa colante industrializada para assentamento de placas cerâmicas. Parte 2: Execução do substrato-padrão e aplicação da argamassa para ensaios. Rio de Janeiro, 2015.

_______ . NBR 14081-4 – Argamassa colante industrializada para assentamento de placas cerâmicas. Parte 4: Determinação da resistência de aderência à tração. Rio de Janeiro, 2012.

_______ . NBR 14992 – Argamassa à base de cimento Portland para rejuntamento de placas cerâmicas – Requisitos e métodos de ensaios. Rio de Janeiro, 2003.

_______. NBR 15259: Argamassa para assentamento e revestimento de paredes e tetos – Determinação da absorção de água por capilaridade e do coeficiente de capilaridade. Rio de Janeiro, 2005.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE FABRICANTES DE CERÂMICA PARA REVESTIMENTO, LOUÇAS SANITÁRIAS E CONGÊNERES (ANFACER). Brasil.

https://www.anfacer.org.br/?idConteudo=159&n=Brasil. Acesso em 15 de fevereiro de 2018.

FRANCESCATTO, Taciane Roberta. Análise da resistência de aderência das placas cerâmicas em chapas de gesso acartonado.2016. 83 f. TCC (Graduação) - Curso de Engenharia Civil, Departamento Acadêmico de Construção Civil, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Campo Mourão, 2016.

GRANATO, J. E. Patologia das construções - Fachadas. Disponível em <http://irapuama.dominiotemporario.com/doc/Patologiadasconstrucoes2002.pdf> Acesso em 13 novembro 2017

JUNGINGER, Max. Rejuntamento de revestimentos cerâmicos: influência das juntas de assentamento na estabilidade de painéis. 2003. 140 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Engenharia Civil, Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

MEDEIROS, J. S.; SABBATINI, F. H. Tecnologia e projeto de revestimentos cerâmicos de fachadas de edifícios. Boletim Técnico: BT/PCC/246. São Paulo: EPUSP, 1999, 28p.

NASTRI, S. Expansão por umidade de revestimentos cerâmicos: métodos de medidas e variáveis envolvidas. 2015. 108p. (Dissertação apresentada ao programa de pós-graduação em Ciência e Engenharia de Materiais).

PAES, Isaura Nazaré Lobato. Desempenho das Argamassas de Rejuntamento no Sistema de Revestimento Cerâmico. Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 2, n. 2, p.95-103, jun. 2001.

PEZZATO, Leila Maria. Patologias no sistema revestimento cerâmico: um estudo de casos em fachadas. 2010. 162 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010

RODRIGUES, Andrigo. Análise estatística na avaliação de teste de degradação acelerada de conjuntos cerâmicos em fachadas. 2015. 115 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Engenharia de Materiais, Universidade do Extremo Sul Catarinense, Criciúma.

ROSCOE, Márcia Taveira. Patologias em revestimento cerâmico de fachada. 2008. 76 f. Monografia (Especialização) - Curso de Curso de Especialização em Construção Civil, Escola de Engenharia da UFMG, Belo Horizonte, 2008.

SILVA, S. C. B. da. Estudo da degradação acelerada da argamassa em um sistema de revestimento cerâmico de fachadas. 2014. 129 f. Dissertação (Mestrado em Ciência e Engenharia de Materiais) – Universidade do Extremo Sul Catarinense, Criciúma.

Downloads

Publicado

2022-06-21

Edição

Seção

Artigos