PORTUGUÊS COMO LÍNGUA DE ACOLHIMENTO E A INSERÇÃO DO ALUNO MIGRANTE NA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE CRICIÚMA/SC

Autores

  • Natalia Berto Cirio de Castro Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC
  • Dienifer Soares Bereznicki Unesc
  • Lucas Garcia Nunes
  • Renata Zapelini dos Santos
  • Angela Cristina Di Palma Back

DOI:

https://doi.org/10.18616/lendu.v6i1.7713

Resumo

O presente artigo pretende realizar uma investigação acerca da atuação do professor escolar no
acolhimento de alunos migrantes, localizados em um município no extremo sul catarinense (Criciúma),
por conta de indagações que surgem em meio aos estudos do Programa Institucional de Bolsas de
Iniciação à Docência (PIBID) realizados no período 2020/2021. Junto a esses estudos, mobilizaram-se
teoricamente autores, os quais estão, neste trabalho, em articulação entre os conceitos de Bauman
(2017), a respeito de movimentos migratórios e dinâmicas de ensino-aprendizagem no contexto de
Português como Língua de Acolhimento (PLAc). O estudo, portanto, é norteado pelo conceito de PLAc,
conforme elaborado por Grosso (2010). Do ponto de vista metodológico, realizaram-se duas entrevistas:
uma com a atual gestão da Secretaria da Educação e a outra com professora da rede pública, a fim de
obter um estudo de caso sobre a situação de alunos migrantes matriculados na rede de Criciúma/SC no
ano de 2021.

Downloads

Publicado

2022-12-05