EU ME CHAMO WILLIAM, MESMO QUE ISSO NÃO ESTEJA NO MEU DOCUMENTO: NARRATIVAS SOBRE A TRANSEXUALIDADE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18616/ce.v9i1.3983

Resumo

Essa pesquisa tem por objetivo analisar as experiências de vida de uma pessoa trans e as ressonâncias nestas dos preconceitos e estereótipos culturais de sexualidade. Para tanto, entrevistamos William, uma pessoa transexual. William tem 25 anos, nasceu numa cidade do interior do Paraná, com cerca de 20 mil habitantes. Atualmente é aluno do curso de Educação Física de uma instituição privada próxima a sua cidade. A metodologia utilizada para a entrevista consistiu na cartografia, com o seguinte roteiro temático: 1) a “descoberta” da transexualidade; 2) o acesso as primeiras informações; 3) a relação com a família, escola e cotidiano até hoje e 4) as suas expectativas para o próprio futuro. Os resultados permitiram dar a ver a narrativa de uma vida produzida em meio a preconceitos escolares, falta de apoio de professores e de desejos quanto ao futuro (casamento, emprego, vida acadêmica). Frente a esses elementos, acreditamos que uma sociedade mais justa far-se-ia a partir da escuta atenta da pessoa trans, em seus interesses e compreensões de mundo.

 

Palavras-Chave: Transexualidade. Escola. Família. Cotidiano. Futuro.

MY NAME IS WILLIAM, EVEN IF THIS IS NOT IN MY DOCUMENT: NARRATIVE ON TRANSEXUALITY

ABSTRACT: This research aims at analyzing the life experiences of a trans person and the resonances in these of the prejudices and cultural stereotypes of sexuality. To do so, we interviewed William, a transsexual person. William is 25 years old, born in a city in the interior of Paraná, with about 20 thousand inhabitants. He is currently a student of the Physical Education course at a private institution near his city. The methodology used for the interview consisted of cartography, with the following thematic itinerary: 1) the "discovery" of transsexuality; 2) access to the first information; 3) the relationship with the family, school and daily life until today and 4) their expectations for the future itself. The results allowed us to see the narrative of a life produced in the midst of school prejudices, lack of support from teachers and wishes about the future (marriage, employment, academic life). Faced with these elements, we believe that a fairer society would be based on the attentive listening of the trans person, in their interests and world understandings.

Keywords: Transsexuality. School. Family. Daily. Future.


Biografia do Autor

Beatriz Putinati Jacques, Faculdade Estácio de Sá de Ourinhos

Licenciada em Pedagogia pela Faculdade Estácio de Sá de Ourinhos

João Carlos Pereira de Moraes, Faculdade Estácio de Sá de Ourinhos /FAESO

Doutorando em Educação (USP)

Mestre em Educação Científica e Tecnológica

Licenciado em Matemática (UENP)

Licenciado em Pedagogia (UEM)

Referências

ADELMAN, M. Travestis e Transexuais e os Outros: Identidade e Experiências de Vida. in: Gênero. Niterói: EdUFF, v. 4, n. 1, 2003, p. 65-100.

ALMEIDA, G. “Homens trans”: novos matizes na aquarela das masculinidades?. Estudos Feministas, v. 20, n. 2, p. 513-523, 2016.

ARÁN, M.; MURTA, D.; LIONÇO, T. Transexualidade e saúde pública no Brasil. Ciência & saúde coletiva, v. 14, n. 4, 2009.

ARTICULAÇÃO Nacional de Travestis e Transexuais. Índice de emprego trans. 2017. Disponível em: <https://www.facebook.com/antrabrasil/>. Acesso em: 26/11/2017.

BENTO, B. Nome social para pessoas trans: cidadania precária e gambiarra legal. Revista Semestral do Departamento e do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFSCar, v. 4, n. 1, p. 165, 2014.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos: apresentação dos temas transversais. Brasília: MECSEF, 1998.

CANEN, A. Universos culturais e representações docentes: subsídios para a formação de professores para a diversidade cultural. Educação & Sociedade, v. 22, n. 77, p. 207-227, 2001.

______; XAVIER, G. P. M. Multiculturalismo, pesquisa e formação de professores: o caso das Diretrizes Curriculares para a Formação Docente. Ensaio: avaliação e políticas públicas em educação, v. 13, n. 48, 2005.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs: do capitalismo à esquizofrenia. Rio de Janeiro: Editora 34, 1996. v. 1.

DIAS, M. B. Um histórico da patologização da transexualidade e uma conclusão evidente: a diversidade é saudável. Revista Gênero & Direito, v. 3, n. 2, 2014.

FERRARI, A.; SOUZA, M. L.; CASTRO, R. P. “Medo da estigmatização?”–a universidade, os processos formativos e a problematização das homossexualidades. Travessias, v. 11, n. 1, p. 143-156.

FIGUEIRÓ, M. N. D. A Formação de Educadores Sexuais. Londrina/PR: Eduel, 2006.

FOUCAULT, M. História da sexualidade I. A vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1993.

GARUTTI, S.; NEVES, A. L. Bullying Homofóbico: Uma discussão sobre a discriminação sexual escolar. Caderno Intersaberes, v. 4, n. 5, p. 54-66, 2015.

GIONGO, C. R.; OLIVEIRA-MENEGOTTO, L. M.; PETTERS, S. Travestis e transexuais profissionais do sexo: implicações da Psicologia. Psicologia Ciência e Profissão, v. 32, n. 4, 2012.

JUNQUEIRA, R. D. Homofobia nas escolas: um problema de todos. In: JUNQUEIRA, R. D (Org.), Diversidade Sexual na escola: problematizações sobre a homofobia nas escolas. Brasília: Ministério da Educaç ão, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, UNESCO, 2009.

LOURO, G. L. Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. Vozes, 2003.

LOURO, G. L. Os estudos feministas, os estudos gays e lésbicos e a teoria queer como políticas de conhecimento. In: LOPES, D. et al. (Orgs.). Imagem e diversidade sexual: estudos da homocultura. São Paulo: Nojosa, 2004.

MORAES, J. C. P.; MANOEL, V. M. As compreensões de Docentes dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental sobre as Discussões em Sala de Gênero e Sexualidade. In: Congresso Nacional de Educação, 2017, Bauru.

NARDI, H. C. et al. O “armário” da universidade: o silêncio institucional e a violência, entre a espetacularização e a vivência cotidiana dos preconceitos sexuais e de gênero. Revista Teoria & Sociedade, 2013.

NUNES, C. A.; SILVA, E. A educação sexual da criança. Campinas - SP: Autores Associados, 2000.

OLIVEIRA, T. R. M.; PARAÍSO, M. Al. Mapas, dança, desenhos: a cartografia como método de pesquisa em educação. Pro-Posições, v. 23, n. 3, p. 159-178, 2012.

OLIVEIRA, M. J. Uma etnografia sobre o atendimento psicoterapêutico a transexuais. Revista Estudos Feministas, v. 22, n. 3, 2014.

RODRIGUES, T. Da metáfora como mediação pedagógica. Educação e Filosofia, v. 29, n. 58, p. 687-701, 2015.

SARTORI, Alice T. ; MORAES, J. C. P. . Ciência e Poder: a constituição de discursos sobre a Homossexualidade. Revista Eletrônica Debates em Educação Científica e Tecnológica, v. 5, p. 67-83, 2015.

SOUSA, L. B.; FERNANDES, J. F. P.; BARROSO, M. G. T. Sexualidade na adolescência: análise da influência de fatores culturais presentes no contexto familiar. Acta Paul Enferm, v. 19, n. 4, p. 408-13, 2006.

TEIXEIRA-FILHO, F. S.; MARRETTO, C. A. R. Homossexualidades, homofobia e tentativas de suicídio em adolescentes LGBT. Anais Seminário Internacional Fazendo Gênero 8–Corpo, violência e poder, p. 1-8, 2008.

WATCH, Human Rights. UNDER ORDERS: War Crimes in Kosovo. Human Rights Watch, v. 10, p. 637-648, 2001.

Zambrano, E. . “Nós também somos família”: estudo sobre a parentalidade homossexual, travesti e transexual. Tese de doutorado. Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008.

Downloads

Publicado

2020-05-04