ENSINO DE QUÍMICA E EDUCAÇÃO ESPECIAL: PERSPECTIVAS E DESAFIOS NO ENSINO-APRENDIZAGEM DA EDUCAÇÃO BÁSICA

Autores

  • Camila Simone da Silva UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL - ULBRA
  • Everton Bedin Universidade Federal do Paraná - UFPR

DOI:

https://doi.org/10.18616/ce.v9i1.4309

Resumo

Este trabalho descreve a experiência de um estágio de observação de 15 horas/aulas em duas turmas do terceiro ano do Ensino Médio, em uma escola estadual de Novo Hamburgo, dando-se ênfase às práticas pedagógicas e metodológicas da professora de química ao desenvolver suas aulas a cinco alunas com deficiência. Em comunhão, observou-se e analisou-se as especificidades de cada aluna e como estas atuam em sala de aula, abordando-se um estado da arte de atividades que podem qualificar a forma de ensinar e aprender, versando sobre a importância da permanente formação docente para a inclusão. Os dados, coletados por meio da observação e registrados em um diário de bordo, demonstram que a professora necessita aperfeiçoar suas práticas, adequando-se às especificidades de cada aluna com deficiência e, principalmente, incluí-las no ambiente escola, a fim de caminhar rumo a uma educação de qualidade para todos.

Palavras-Chave: Química, Educação Especial, Ensino-aprendizagem.


TEACHING CHEMISTRY AND SPECIAL EDUCATION: PERSPECTIVES AND CHALLENGES IN TEACHING-LEARNING THE EDUCATIONAL EDUCATION


Abstract
This paper describes the experience of observation internship in two classes of the third year of high school, in a state school in Novo Hamburgo, emphasizing the pedagogical and methodological practices of the chemistry teacher in developing her classes for five disabled students. In communion, the specificities of each student were observed and analyzed, and as they act in the classroom, approaching a state of the art of activities that can qualify the way of teaching and learning, concerning the importance of permanent teacher education for inclusion. The data, collected through observation and recorded on a logbook, demonstrate that the teacher needs to improve her practices, adapting herself to the specifics of each disabled student and, especially, to include them in the school environment, in order to walk towards a quality education for everybody.

Keywords: Chemistry, Special Education, Teaching-learning.

Referências

ASSOCIAÇÃO AMERICANA DE RETARDO MENTAL - AAMR. Retardo mental: definição, classificação e sistemas de apoio. Tradução M. F. Lopes, 10. ed. Porto Alegre: ARTMED, 2006.

BELTRAMIN, F. S.; GÓIS, J. Materiais didáticos para alunos cegos e surdos no ensino de química, 2012.

BRASIL, Presidência da República, Decreto nº 3.298, de 20 de dezembro de 1999 - Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência. Brasília, 1999.

BRASIL, Presidência da República, LEI N.º 10.098 de 23 de março de 1994 - Normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida. Brasília, 1994.

COSTA, L. G.; NEVES, M. C. D.; BARONE, D. A. C. O ensino de Física para deficientes visuais a partir de uma perspectiva fenomenológica. Ciência e Educação, Baurú, v. 12, n. 2, p.143-153, 2006.

FALCONI, E. R. M.; SILVA, N. A. S. Estratégias de trabalho para alunos com deficiência intelectual. Disponível em: <https://especialdeadamantina.files.wordpress.com/2014/05/estratc3a9gias-de-trabalho-para-alunos-com-di.pdf>. Acessado em: 04 de abr. 2018.

FALVEY, M. A.; GILVNER, C. C.; KIMM, C. O que eu farei segunda-feira pela manhã? In: STAINBACK, S.; STAINBACK, W. Inclusão: um guia para educadores. Porto Alegre: Artmed, 1999.

INSTITUTO NACIONALDE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Sinopse Estatística da Educação Básica 2017. Brasília: Inep, 2018. Disponível em: <http://portal.inep.gov.br/sinopses-estatisticas-da-educacao-basica>. Acesso em: 15 de maio 2018.

INSTITUTO NACIONALDE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Sinopse Estatística da Educação Básica Censo Escolar 1998. Brasília: Inep, 1999. Disponível em: <http://download.inep.gov.br/download/censo/1998/basica/censo-miolo-98.pdf>. Acesso em: 15 de maio 2018.

INSTITUTO PROMINAS. Material didático: Tecnologias assistivas. 1. ed. Contagem: Instituto Prominas, 2017, 50 p.

MARIANO, Lidiane S.; REGIANI, Anelise M. Reflexões sobre a formação e a prática pedagógica do docente de química cego. Química Nova na Escola, São Paulo, v. 37, nº esp. 1, p. 19-25, jul. 2015. Disponível em: <http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc37_especial_I/05-RSA-89-14.pdf>. Acessado em: 07 de abr. 2018.

OHLWEILER, Camila R. Da S. et al. Química e Alteridade: o uso de diferentes metodologias para o processo de ensino e aprendizagem no paradigma da inclusão. In: ENCONTRO DE DEBATES SOBRE O ENSINO DE QUÍMICA, 34, Santa Cruz do Sul, 2014. P. 659-666. Disponível em: <http://online.unisc.br/acadnet/anais/index.php/edeq/article/view/12059>. Acesso em: 05 de abr. 2018.

PIRES, Rejane F. M. Proposta de guia para apoiar a prática pedagógica de professores de Química em sala de aula inclusiva com alunos que apresentam deficiência visual. 2010. 158 f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências) – Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciências, Universidade de Brasília. Brasília, 2010.

RAZUCK, R. C. S. R.; GUIMARÃES, L. B. O desafio de ensinar modelos atômicos a alunos cegos e o professor de formação de professores. Revista Educação Especial, Santa Maria, v. 27, n. 48, p. 141-154, 2014. Disponível em: <https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial/article/view/4384/pdf>.Acessado em: 07 de abr. 2018.

RASUCK, R.; RASUCK, F. B.; TACCA, M. C. Aquisição do conceito de efervescência e velocidade de reação por alunos surdos do 1º ano do ensino médio: possibilidade de inclusão. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISADORES EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS (ENPEC), 9., Florianópolis, 2009. Anais... Florianópolis, UFSC, 2009.

REGIANI, A. M.; ALMEIDA, M. P. Formação de professores de Química na perspectiva da inclusão de alunos cegos. In: ENCONTRO NACIONAL DO ENSINO DE QUÍMICA, 13., 2012, Salvador. Anais do XVI Encontro Nacional do Ensino de Química, Salvador.

REGIANI, A. M.; MÓL, G. S. Inclusão de uma aluna cega em um curso de licenciatura em Química. Ciência e Educação, Baurú, v. 19, n. 1, p. 123-134, 2013.Disponível em: <http://www.redalyc.org/pdf/2510/251025751002.pdf>. Acessado em: 07 de abr. 2018.

RESENDE FILHO, J. B. M.; NASCIMENTO, Y. I. F.; BARRETO, I. S. Ensino de química e inclusão: confecção de modelos atômicos que facilitem a aprendizagem de alunos deficientes visuais. In: Simpósio Brasileiro de Educação em Química, 7., 2009, Salvador, BA.

SILVA, W. D. A. Outros Olhares: Uma análise sobre o processo de aprendizagem de Química à luz da deficiência visual. 2015. Trabalho de Conclusão do Curso de Graduação em Licenciatura em Química, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará. Iguatu, 2015.

SILVA, W. D. A.; DAMASCENO, M. M. S. A química no contexto da educação especial: o professor, o ensino e a deficiência visual. REDEQUIM, v.1, n.1, p. 20-28, out. 2015. Disponível em: <http://www.journals.ufrpe.br/index.php/REDEQUIM/article/view/1261>. Acessado em: 05 de abr. 2018.

SILVA, W. D. A.; SILVA, N. M. R. A tabela periódica e o ensino de Química para deficientes visuais. In: FREITAS, L. P. T. (Org.). Educação inclusiva: Ensaios – Prodocência 2313/2010. Fortaleza: CAPES/IFCE, 2013.

TEIXEIRA Jr, J. G. Propostas de atividades experimentais elaboradas por futuros professores de Química para alunos com deficiência visual. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENSINO DE QUÍMICA (ENEQ), Brasília, 2010. Anais… Brasília: UNB, 2010.

Downloads

Publicado

2020-05-04