O papel da imprensa escrita na defesa do programa de desestatização do Governo Figueiredo (1979-1985)

Autores

  • Valesca de Souza Almeida Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade Federal Fluminense (UFF) Professora do Colégio Pedro II http://orcid.org/0000-0001-6707-5806

DOI:

https://doi.org/10.18616/rdsd.v8i1.7339

Resumo

A mídia desempenhou papel significativo na legitimação de propostas econômicas, políticas ou sociais no Brasil do século XX. Este trabalho tem como objetivo demonstrar a atuação da grande  imprensa escrita na divulgação e defesa entusiasta do programa de desestatização de empresas colocado em prática pelo último governo da ditadura militar, do general João Baptista Figueiredo. O posicionamento estimulador de tal projeto foi importante na tentativa de construir consensos no sentido da aceitação do diagnóstico através do qual se entende que, para melhorar a economia, seria fundamental diminuir os gastos e enxugar o Estado. Iniciada ainda na ditadura, a defesa destes ideais avançou depois da transição política e pode ser compreendida como uma continuidade entre os regimes.

Biografia do Autor

Valesca de Souza Almeida, Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade Federal Fluminense (UFF) Professora do Colégio Pedro II

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade Federal Fluminense (PPGH-UFF), onde também se formou no curso de Mestrado, licenciatura e bacharelado em História. Graduada em Adminstração pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). É professora do Colégio Pedro II.

Downloads

Publicado

2022-11-11

Como Citar

ALMEIDA, V. de S. O papel da imprensa escrita na defesa do programa de desestatização do Governo Figueiredo (1979-1985). Desenvolvimento Socioeconômico em Debate, [S. l.], v. 8, n. 1, p. 69–87, 2022. DOI: 10.18616/rdsd.v8i1.7339. Disponível em: https://periodicos.unesc.net/ojs/index.php/RDSD/article/view/7339. Acesso em: 5 dez. 2022.

Edição

Seção

Dossiê: Poder, Mídia e Democracia: usos e abusos